Archives

  • 2018-07
  • 2019-04
  • 2019-05
  • 2019-06
  • 2019-07
  • 2019-08
  • 2019-09
  • br A gest o hospitalar

    2019-06-12


    A gestão hospitalar nas unidades mantidas Talvez seja o produto de mais expressividade que as oss divulgam. A forma como se gerencia o hospital é kinesin 5 garantia de colheita dos resultados, seu game over junto à sociedade e junto a sua contratante, a Secretaria de Saúde. É a procura por legitimar a atuação das oss. Provavelmente por este motivo, o gerenciamento hospitalar tem se revelado, para algumas oss, objeto de exposição e consignação. Entretanto, segue acolá disso. A gerência hospitalar revelada pelo cnes tem algumas particularidades. Em âmbito geral, os cargos de diretores são exercidos por profissionais da saúde nomeados pela direção das organizações sociais. A direção clínica e a direção técnica devem seguir a Resolução do cremesp nº 134, que regulamenta a Resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1.481/97. São cargos que só podem ser exercidos por profissionais médicos, de acordo com a resolução. Com obrigações prescritas no Contrato de Gestão, como manter um Serviço de Relacionamento com Cliente que visa traduzir em números a satisfiação dos serviços prestados nos hospitais, além de índices a serem alcançados, a gestão hospitalar tem a imperiosa obrigação de funcionar, de fazer a “coisa andar”. As estratégias são diversificadas, mas seguem o caminho gerencial das organizações e suas ferramentas: planejamento estratégico, bsc (Balance Score Card), pdca,Just in time, gestão de processos, Lean Six Sigma. Todas as táticas usadas vão de encontro com os objetivos que devem ser impetrados, mas pode-se afirmar que há uma atenção especial à qualificação profissional. As políticas aplicadas aos recursos humanos não se tratam de exclusividade da administração indireta. Aos hospitais sob o governo estadual incide a Coordenadoria de Recursos Humanos, vinculada à ses, que entre outras atribuições tem a missão de planejar, coordenar e promover ações de gestão de pessoas e efetivar políticas que se distribuem por áreas como apoio ao desenvolvimento institucional, seleção e desenvolvimento de recursos humanos, planejamento dos processos de recrutamento e seleção, controle de recursos humanos, etc. Entres as estratégias, por exemplo, o recebimento por produtividade também é precedente em hospitais da administração direta. O Prêmio de Produtividade Médica (ppm) e o “Contrato Programa” (espécie de contrato visando resultados e respectiva remuneração) são algumas das ações da ses para incentivo nos hospitais de administração direta. Outro objetivo dos hospitais mantidos é a osteoclasts interação com a comunidade, sugerida pela ses e que se demonstrada ativa. É o caso da Política de Humanização, indicada pelo sus em nível nacional e adotada pela ses de São Paulo (portanto, sua propagação deve estender-se por todos os hospitais geridos ou não por oss). A humanização procedente nos hospitais da administração direta ou indireta é compreendida como uma necessidade pelo sus. Como suporte, a auditoria interna e auditoria externa reforçam as estratégias de qualidade hospitalar, visando à gestão de qualidade ou, como o exemplo, atendendo políticas direcionadas pelo Estado. Somam-se às auditorias externas as destinadas a acreditação hospitalar, incentivada também pela ses e que parte expressiva dos hospitais gerenciados por oss participam (pesquisados os hospitais relacionados como referência para a pesquisa e não foram encontrados na relação de organizações certificadas). Para alcançar a acreditação, algumas oss e seus hospitais fazem uso de empresas de consultoria em gestão, por vezes específicas na gestão hospitalar e para organizações sociais, e ainda de auxílio gerencial. Como resultados, em 2013 foram contabilizados 11 hospitais estaduais com algum nível de acreditação, todos geridos por oss. Contrapõe-se com as perspectivas relatadas por Montaño, em que a efciência nos serviços públicos por meio da publicização seria alcançada devido à precarização, focalização e localização dos serviços, com perda das dimensões de universalidade, de não-contratualidade e de direito do cidadão, retirando a responsabilidade do capital. No discurso sindicalista de Cavalhaes, a rotatividade elevada nos hospitais mantidos por oss sugere o descontentamento com as condições trabalhistas, portanto não seria a opção do profissional da saúde entre os seus objetivos e os objetivos apresentados pelo hospital.